Horário de Funcionamento

 

Secretaria aberta de Segunda a Quinta

17h - 21h

Sábado

9h - 12h30

 

Onde estamos

 

CLN 110 Bloco A lojas 73/77 subsolo

Brasília - DF

E-mail: falecomoficinaflamenca@gmail.com

Whatsapp:  (55 - 61) 99901-7374

 

Nos encontre

Oficina Flamenca 2015

Flamenco e Estética (3)

Updated: Jan 26, 2019

Para compreendermos as principais mudanças que caracterizaram a estética do baile flamenco ao longo de sua história, é importante tentarmos compreender as etapas mais expressivas dessa arte.



Os pesquisadores divergem no que se refere ao número de etapas, especialmente no que se conhece como etapa pré-flamenca, pois com o avanço dos estudos, foi possível desmistificar ou esclarecer algumas confusões que costumavam ser feitas ao se referir ao momento que antecedeu o período dos cafés cantantes, considerado o momento áureo da história do flamenco.


O Centro Andaluz de Flamenco de Jerez de la Frontera divide a história do flamenco em 4 etapas distintas, a fim de tornar mais fácil a compreensão de sua evolução. Iremos deixar aqui os elementos que mais marcaram cada época.


1ª. Etapa:

- Os intérpretes não eram profissionais.

- Dançavam nos pátios das tabernas ou em ‘Cuevas’.

- Seus centros geográficos eram:

  • Cádiz (Puerta Tierra)

  • Sevilla (Triana)

  • Granada (Sacromonte)

- O baile era acompanhado por guitarristas, em sua maioria, cegos. Eram festas noturnas, que se realizavam à luz de candeias, por isso se chamavam "BAILES DE CANDIL".


Observe a ilustração abaixo e tente encontrar elementos da dança que ainda hoje é possível vermos no flamenco. É um desenho feito por Gustave Doré no século 19 e se chama Um baile de Candil. Trata-se de uma representação de uma festa em Triana, hoje um dos bairros mais conhecidos de Sevilla e que no passado era local onde viviam as famílias gitanas da região.



2ª. etapa:

- Em meados do séc. XIX tem início o profissionalismo no baile.

- Este é a etapa dos Cafés Cantantes, também conhecida como a era de ouro do flamenco.

- Utilizam-se estrados de madeira para dançar, o que dá mais brilhantismo ao sapateado e também o uso da chamada ‘bata de cola’.

- Multiplicam-se em Sevilla as academias de baile. Ainda assim, o repertório era escasso e se reduzia a poucos estilos.

- Fica marcada a diferença entre o baile do homem e o da mulher.

- La Macarrona foi um dos grandes destaques desta época. Com relação aos bailes mais executados, podemos citar: Tangos, Garrotín, Alegrías e Soleá.


Observe a foto abaixo, uma das mais famosas e representativas da época dos cafés cantantes na Andaluzia. Feita por Emilio Beauchy (em 1880), este era uma dos mais frequentados cafés de Sevilla, o Cafe del Burrerro, por onde passaram artistas lendários e que marcaram época. Ao longo do curso iremos conhecendo um pouco mais sobre esses cafés tão fantásticos e seus quadros flamencos inesquecíveis.



3ª. etapa:

- Com a decadência dos Cafés Cantantes e o começo dos espetáculos integrados na chamada «Opera Flamenca», o panorama muda.

- O baile tem pouquíssima presença em estas atuações.

- Ainda assim, destacam-se algumas figuras, tais como Pastora Imperio.

- Apesar do status quo dessa época, alguns artistas firmaram-se profissionalmente no exterior, pois o ambiente político na Espanha não era dos mais favoráveis. Entre eles, podemos destacar La Argentinita, José Greco, Antonio y Rosario, Carmen Amaya, Vicente Escudero....

- A indústria cinematográfica possui um papel importantíssimo para consolidação da estética do flamenco nessa época.


Esta etapa é considera por alguns estudiosos como um período de decadência, porém, essa visão começa a ser questionada por alguns pesquisadores que chamam a atenção para o preconceito criado em torno deste período. Ao longo do curso iremos mostrar como esta etapa pode ser subdividida e melhor compreendida.





4ª. etapa:

- Foi quando o baile flamenco deu uma guinada e começou a integrar as coreografias denominadas «Ballets Flamencos».

- Estes espetáculos convivem com os de Baile tradicional.

- Destacam-se grandes figuras do baile, que lhe deram dignidade e fizeram com que evoluísse artística e tecnicamente. Por exemplo, Antonio Gades e Cristina Hoyos.


Assim como a etapa da Ópera Flamenca, também podemos pensar que este último período proposto pelo material didático do Centro Andaluz de Flamenco pode ser subdivido e atualizado. Esperamos que ao longo do curso seja possível mostrar os momentos subsequentes ao dos Ballets Flamencos, que também é chamado por alguns estudiosos de etapa de revitalização do Flamenco, pois ela coincide com o período do surgimento dos festivais flamencos em toda a Andaluzia e com um esforço de acadêmicos e intelectuais por revalorizar a arte flamenca, que foi muito usada pelo ditador Franco com objetivos questionáveis.


(Fonte: Centro Andaluz de Flamenco – “Didáctica del Flamenco – El Baile Flamenco)


Apesar dessa categorização ser bastante interessante, atualmente, podemos dizer que ela está um pouco obsoleta e que poderíamos inserir uma discussão mais aprofundada em cada uma dessas etapas e até mesmo desmembrá-las.


Você conhece algum outro estudo da história do flamenco que propõe uma categorização das etapas dessa arte diferente da mencionada acima? Vamos pesquisar e buscar por outras formas de olhar para esses quase 150 anos de história? Escreva para patricia.elmoor@gmail.com enviando suas contribuições!